topo_banner_3Slide thumbnail

Salve, Nação tricolor!!

Compartilhe com amigos

BkkwRV8IMAAkLwHO que dizer da emoção de ser Bahia num momento desses?? Sair da Fonte de alma lavada, testemunhar as bandeiras tricolores em agitação frenética tal qual o grupo alegre que sobe e desce em ritmo de coreografia ensaiada durante anos a fio de arquibancada? Um instante mágico, indescritível que invade cada centímetro do corpo. Que alegria renovada torcer pra um time e acompanhá-lo em todos os altos e baixos, sofrer, xingar, fazer reverberar toda a indignação para, em seguida, vê-lo reagir a ponto de inverter uma vantagem que já nem alimentávamos tanta expectativa assim. Uhhh-Uhhh, não dá pra segurar!! Tava preso na garganta …..

Cheguei cedo à Arena pra esperar o Esquadrão. Fui de galera como sempre, para depois, resenhar cada lance, discutir cada dúvida, elogiar cada acerto e reclamar de cada deslize de meu time. Mas fui com o coração sereno após escutar dos comentaristas esportivos que a vantagem do rival era traiçoeira, que acomoda a equipe a ponto de não motivá-la a ir buscar o título. Pura verdade. Ponto mais uma vez para os grandes comentaristas dessa terra.

Outro lepo-lepo a la Marcio Vítor que bradou por aí que o tricolor de aço será o campeão baiano 2014. Mas, muita calma nessa hora, hein?? Conseguimos inverter a vantagem e agora podemos perder até por um gol de diferença. Não esqueçam que nem sempre vantagem é um dado positivo. Vamos correr atrás. Chuteiras no chão, somente no alto da trivela. Nada mais. Quem pensar diferente vai sair da sintonia. Agora não podemos arriscar. O lema desde sempre é: Bora pra cima, Bahêêêaaaaa!!

Deixei a Fonte e durante todo o trajeto pra casa o que vi só fez referendar o que sinto pelo Esquadrão. Não tem que não se deixe seduzir por uma torcida tão intensa, por um amor tão convincente. O tricolor é o guardião de boa parte de minhas emoções, sim! A Nação sacudiu a poeira e invadiu Salvador com uma alegria contagiante. Nos carros, nos ônibus, nas bicicletas, tudo era uma festa só.

Ficamos felizes em observar a dobradinha Maxi Biancuchi e Talisca. E o baiano da gema marcou com bola em andamento de fora da área. Um bom cobrador mas não é só isso. Tem muito mais possibilidades. Fahel no segundo tempo demonstrou ainda mais garra e matou o jogo.

Mas foi o primeiro duelo da decisão. Faltam 90 minutos de jogo. Vamos com humildade, apuro técnico e vontade de ganhar. Vai ser lá na casa do rubronegro. É pra lá que vamos de galera. Firmes. Dispostos a vencer em campo, sem confusão, na paz mas com a alegria de sempre no peito biestrelado que vibra ainda mais forte quando disputamos com um eterno adversário, um velho conhecido.

Aí, tudo pode acontecer. O Bahia se agiganta, a torcida se torna ainda mais colorida, o grito sai mais alto: “somos do povo um clamor, ninguém nos vence em vibração….”

Só falta mais um jogo, SÓ MAIS UM BAHÊÊÊAAAA

Compartilhe com amigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *