A Comissão de Educação da Câmara dos Deputados aprovou proposta que modifica as regras de distribuição dos recursos do Fundeb para a educação em tempo integral. O texto determina um acréscimo anual de verbas destinadas a matrículas em tempo integral de modo a atingir, pelo menos, 50% dos recursos do fundo até o final da vigência do Plano Nacional de Educação (PNE) 2014-2024.

Foi aprovado um substitutivo do relator, deputado Bacelar (PTN-BA), para o projeto de lei 1439, do suplente de deputado Merlong Solano (PT-PI). “Optei por um substitutivo apenas para corrigir aspectos ligados à técnica legislativa, já que a educação em tempo integral não é propriamente uma modalidade de ensino, mas uma jornada aplicável a diferentes etapas e modalidades”, explicou o petenista.

O relator manteve o entendimento do autor de promover a alteração para contribuir com o cumprimento da Meta 6 do PNE, que propõe “oferecer educação em tempo integral em, no mínimo, 50% das escolas públicas, de forma a atender, pelo menos, 25% dos alunos da educação básica”.

Fator de ponderação

Para alcançar a medida, a matéria aprovada amplia a margem do chamado “fator de ponderação”, que funciona como um valor de referência por aluno/ano nos repasses entre etapas, modalidades, jornadas e tipos de estabelecimento de ensino da educação básica.

Pelo texto, o fator de ponderação, que atualmente varia de 0,7 a 1,3, passará a variar de 0,7 a 1,5, o que, na prática, permite aumentar, proporcionalmente, a destinação de recursos para determinados segmentos de ensino, como o integral.

Atualmente, a sistemática para distribuição de recursos do Fundeb se baseia no chamado fator de ponderação, o qual incide sobre o valor por aluno de referência do fundo (as séries iniciais do ensino fundamental urbano correspondem ao fator “1”).

Dessa forma, as demais etapas e modalidades podem contar com acréscimo ou decréscimo de recursos por aluno, conforme esteja acima ou abaixo do valor de referência.

Por exemplo, para o ensino médio urbano, o fator de ponderação é 1,25. Isso significa que o valor repassado aos entes da federação por aluno/ano, para esta etapa escolar, é 25% superior ao valor de referência (fator 1).

Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




Deixe uma resposta

Fechar Menu