O deputado estadual João Carlos Bacelar (PTN), Denunciou hoje que o abandono da região de Buerarema pelo governo da Bahia resultou em mais uma morte já confirmada e a suspeita de que outra também tenha ocorrido. Durante a noite o trabalhador rural identificado comoValmir foi assassinado por supostos índios num conflito pela terra que já dura mais de dez anos, sem que o governo do Estado ou federal adotem providências efetivas para por fim aos confrontos.

“A Força Nacional de Segurança estava na região e foi retirada porque o governador Jaques Wagner assegurou que poderia assegurar a paz na região. Mais uma morte ocorreu e há suspeita de que outro trabalhador, identificado apenas como Antônio, também tenha morrido. Até quando esses crimes vão continuar acontecendo sob o olhar complacente do governo?”, questionou Bacelar.

Bacelar lembra que se confirmadas as duas mortes de ontem já serão três assassinatos este ano envolvendo supostos índios nas regiões conflitadas de Buerarema, Uma, Ilhéus, São José da Vitória e Itaju do Colônia. No início do ano, supostos índios invadiram o Assentamento Ipiranga, na localidade de Maroim, em Una, no sul da Bahia e matou o trabalhador rural e ex-sem terra Juraci Santana, líder do assentamento situado numa fazenda que havia sido desapropriada pelo Incra e indenizada pelo governo federal há mais de dez anos.

“O problema é do governo que abandonou a região a própria sorte e não dá segurança as pessoas. São mortes anunciadas devido aos conflitos entre supostos índios e trabalhadores rurais”, cobrou Bacelar. O parlamentar lembra que o Ministério da Justiça determinou a desmontagem da base de pacificação da Força Nacional de Segurança na região.

Alto do Cabrito faz festa domingo para resgatar tradição do bairro nos festejos pela Independência da Bahia

A comunidade do Alto do Cabrito quer resgatar uma tradição que vem sendo abandonada pelos poderes públicos que excluíram a localidade das comemorações da data magna da Bahia, o Dois de Julho. Neste domingo, dia 6 de julho, a comunidade local vai fazer, a partir das 8h da manhã uma grande festa com a participação das bandas e fanfarras das escolas locais, do grupo Acorrentados e da Associação de Moradores do Alto do Cabrito e Adjacências (AMACA).

“Estaremos fazendo este primeiro movimento a fim de chamar a atenção das autoridades constituídas e da sociedade baiana que as forças da Independência também passaram pelo alto do Cabrito. Nossa participação histórica é fato que vem sendo desconsiderado desde que a Bahia começou a fazer as comemorações do Dois de Julho. As tropas libertárias passaram por Pirajá, alto do Cabrito e Seguiram pela Liberdade e São Caetano. Porque o fogo simbólico passa hoje por todos esses lugares e exclui o Alto do Cabrito? Queremos que o reconhecimento de nossa área seja feito”, afirmou Marcos Ressureição Santana, do grupo Acorrentados.

Portanto, eles estão convidando toda a sociedade soteropolitana para participar desse novo cortejo, saindo do fim de linha do Loteamento Bela Vista ao fim de linha do Alto do Cabrito neste domingo, a partir das 8h. Participe você também.

Compartilhe com amigos
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




    Deixe uma resposta