João Carlos Bacelar

A importância da educação para o desenvolvimento socioeconômico de um país é indiscutível assim como é fundamental que as escolas garantam aos Conselhos Escolares o direito de serem ouvidos. São eles os responsáveis pelo estudo, planejamento e avaliação das ações cotidianas da unidade, acompanhamento das decisões administrativas e financeiras direcionando os gastos das verbas federais, estaduais e municipais, a fim de garantir a melhor aplicabilidade dos recursos. Esse é o caminho para a gestão pública participativa e democrática.

O Conselho é um dos atores principais do processo educativo. Mas é preciso existir uma boa dose de articulação entre os membros – constituídos por representantes de pais, professores, alunos e servidores para assegurar a identidade da escola que a partir disso será capaz de provocar na comunidade o desejo de criar sua própria história.

É papel do Conselho Escolar reforçar, na prática, que não se faz democracia sem o empenho de todos os envolvidos, uma vez que o objetivo é dialogar muito em busca da transformação da realidade e do sistema de ensino, sempre em debate para se adaptar às descobertas que propiciem uma forma de aprendizado mais produtiva e prazerosa.

Outra tarefa do Conselho que deve ser exercida constantemente é a autoavaliação para que sua atuação aconteça de forma transparente e mais próxima à comunidade que representa.

Alguns relatos registrados no Banco de Experiências de Conselhos Escolares no Portal do Mec são interessantes pois revelam em detalhes a importância desses organismos dentro das unidades.

Uma escola em São Bernardo do Campo, em São Paulo, provou aos pais através da intervenção do Conselho que determinados jogos e brincadeiras são permitidos e bem-vindos ao processo de alfabetização.

Já a Escola Marechal Castelo Branco, em Rio Branco, no Acre, passou a estudar conjuntamente com toda a comunidade estratégias para reverter a reprovação de algumas turmas que beirava os 75%. Houve rodadas de intenso diálogo. Dessa interação surgiram alternativas como reforço da disciplina que mais afetava os estudantes, assessoria da equipe pedagógica à professora no planejamento das aulas e até a substituição da educadora responsável.

No relato posterior é evidente a evolução do desempenho dos alunos e da escola que subiu na avaliação do Ideb. A conclusão é que o Conselho foi decisivo para discussão das possíveis saídas para a crise e no apoio à direção e à equipe pedagógica. Em vários casos os pais também tiveram participação indispensável passando de críticos a parceiros. É o olhar da comunidade para dentro da escola.

A criação, constituição e funcionamento dos Conselhos Escolares estão previstos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação de 1996 e reafirmados no Plano Nacional da Educação (PNE) cujo Projeto de Lei tramita no Congresso desde dezembro de 2010.

Fonte politicalivre.com.br

Compartilhe com amigos
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




    Deixe uma resposta