Um dado nacional e alarmante motivou a prefeitura de Salvador a reprogramar a educação pública da cidade. De acordo com o Censo da Educação Brasileira de 2013 mais de 8,5 milhões de alunos no país frequentam a escola com atraso de pelo menos dois anos.

Para reverter o quadro, desde o ano passado toda a rede municipal passou a ser preparada para a construção do sistema estruturado de ensino com o objetivo de elevar o nível de desempenho acadêmico dos alunos.

Quase a metade das escolas optaram em aderir às Classes Especiais de Alfabetização que utilizam os livros do Programa de Regularização do Fluxo Escolar com objetivo de proporcionar a evolução de alunos não alfabetizados no tempo certo além da correção da defasagem idade-série.

Foram contratados estagiários de Letras e Pedagogia para implementar ações coordenadas nas salas de aula com até 10 alunos. Passaram a ser trabalhadas dificuldades específicas como a contextualização de palavras. A criatividade dos estudantes constantemente é desafiada ampliando o espírito crítico e o senso de observação dos mesmos.

Passado um ano após a implantação do programa os resultados são nítidos. O campo de ação dos alunos foi ampliado e além da elevação das notas eles demonstram uma autoestima renovada; passaram a acreditar no próprio potencial, agora com a real possibilidade de aprendizagem.

O que mais tem chamado a atenção dos atores envolvidos no processo, sem dúvida, é o sucesso do atendimento individualizado que se transformou no grande diferencial do programa. O desenvolvimento das turmas é avaliado mensalmente pelos coordenadores. Também são realizadas provas semestrais (junho e novembro) para possíveis ajustes.

O foco é Língua Portuguesa e Matemática para reforçar a base e estimular os alunos a avançarem em outras disciplinas. As famílias ajudam no acompanhamento e na adequação do tempo dos alunos na escola. Muitos permanecem nas unidades para aulas no contraturno.

O descompasso, isto é, a falta de correspondência entre a idade e o ano escolar aplacou por muito tempo o ânimo dos estudantes. No entanto, a esperança tem projetado novos horizontes para os que foram reprovados, abandonaram a escola ou já foram alfabetizados com atraso. As Classes Especiais significam porta aberta para que mais de 10 mil meninos e meninas de Salvador entrem e vivenciem novas perspectivas.

Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




Deixe uma resposta

Fechar Menu