Por Bacelar para o Amor de Aço.

Que o Bahia é detentor de uma das maiores torcidas do Brasil, ninguém duvida, mas isso ficou ainda mais evidente no último sábado, dia da eleição direta para presidente da República vermelha, azul e branca. Acredito que essa escolha só perca em importância para eleição de governador da Bahia. Assim como o Santos, de Pelé, lá fomos nós. Uns desciam, outros subiam a ladeira da Fonte para participar da escolha. Bandeiras tremulavam. Torcedores emocionados. Enfim, a festa da democracia. No final do dia, o que todos já imaginavam. Venceu Belintanni com mais de 80% dos votos dos associados.

Quem não quer contribuir para o destino do clube do coração? Quem não quer bater no peito e dizer que empurrou o time para o G-8, passaporte para Libertadores? Ora, eu quero, sim. Fui cedo depositar o meu voto e reforçar que, em campo e fora dele, estou de olho para deliberarem o melhor para o meu Bahêa.

Quero que Belintani injete vida na Cidade Tricolor, transformando-a em um Centro de Referência na preparação de novos atletas. Precisamos aproveitar a fama de celeiro de craques e dinamizar a receita do clube que, se não é das melhores, hoje é estável. O cofrinho tricolor engordou. Pulamos de uma receita de R$ 85 milhões para R$ 121 milhões, nos últimos dois anos. Nada mau. Estou errado?

O novo presidente já respirava a rotina do ECB nesses últimos tempos; percebeu que, muitas vezes, não vale investir em um caminhão a peso de ouro, como fizeram outros clubes. Vale mais um olheiro bem informado que aposte em atletas em ascensão do que nomes consolidados que demorem a pegar ritmo.

Vi que uma das promessas de campanha é essa. Contratar quem tecnicamente tenha condições de estrear logo. Isso mesmo, presidente. Vamos tocar fogo… A temporada foi uma das mais quentes. A ideia é azeitar a máquina, a cada ano. Em 2018, as perspectivas são ainda melhores.

Os próximos dias serão dedicados à revisão do plantel. Cabe à nova diretoria verificar as vantagens de negociar quem deseja alçar novos vôos. Ficar só com quem está disposto a dar sangue por aqui, na real. Trazer quem quer mergulhar no espírito de grupo, treinar forte para manter a forma, acertar a pontaria, traduzir a linguagem de Carpegiani e seguir em frente.

Em 2017 aparecemos bem. Ano que vem tem mais. Mais um torneio. A Copa Sul-Americana. Teremos ainda mais desafios. Mas pelo que sei e testemunhei orgulhoso durante a festa das urnas, ninguém nos vence em vibração. Alô, minha galera! Vamos acompanhar a movimentação e torcer por dias melhores. Já contabilizamos muita evolução. A chegada da democracia, a dinamização da receita, a formação de um time mais competitivo. Agora o que eu quero mesmo é disputar a cabeça da chave.

Lá no alto. O Bahêa é isso. Quem é tricolor deseja muito mais.

Bahêa, minha alegria. BBMP!

Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




Deixe uma resposta

Fechar Menu