escola-ireceAs quatro escolas da rede estadual da cidade de Irecê estão a uma semana sem aulas porque o Estado ainda não efetuou o pagamento dos terceirizados e contratados via Prestação Temporária de Serviço (PST), prejudicando mais de três mil alunos. “Em Irecê, o ano letivo – que este ano já é apertado -, nem começou. E a situação só vai se regularizar talvez na quinta-feira”, bradou o deputado.

No Colégio Luiz Viana Filho, que atende 1.200 alunos do Fundamental e Ensino Médio, os professores ainda vão refazer o plano de aulas. No Centro Territorial de Educação Profissional de Irecê (CETEP), a direção já estuda a reposição das aulas perdidas para cumprir a meta de 200 dias letivos. No maior colégio estadual da cidade, o Luís Eduardo Magalhães, que atende mais de 1.200 alunos, 18 funcionários estão parados desde a semana passada, quando o ano letivo começou em todo o Estado. A situação é a mesma no Colégio Polivalente, que atende 750 alunos nos três turnos.

“Os terceirizados e os PST estão com os salários atrasados. O governo não repassa, há três meses, o salário de vigilantes, porteiros, merendeiras, inspetores, pessoal de serviços gerais e secretaria. Esta semana é que devem pagar o mês de fevereiro e a semana passada é que pagaram os meses de dezembro e janeiro. A Direc assume que existem pendência com a merenda escolar e os alunos só terão transporte porque este é assegurado pela prefeitura. Na Escola Polivalente, faltam merenda escolar, vigilantes, recursos para a manutenção da escola e até aquisição de material básico”, protestou o deputado. “Bem se vê que no governo do PT não se valoriza a educação do filho do trabalhador”, concluiu.

Informações site sertão baiano.com.br

Compartilhe com amigos
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




    Deixe uma resposta