Foto: Robert Alves

O deputado Bacelar (Podemos-BA) afirmou nesta quarta-feira (8) que, mesmo sem a legalização dos jogos no Brasil, “os brasileiros jogam e jogam muito: nas loterias oficiais, bancadas pelo governo; 20 milhões de brasileiros jogam este jogo genuinamente brasileiro, que é o Jogo do Bicho; milhões estão aí nos jogos online; outro número muito grande está no bingo. Enfim, os brasileiros não estão impedidos de jogar, o governo brasileiro é que está impedido de arrecadar”. A declaração foi feita durante o lançamento da Frente Parlamentar Mista pela Aprovação do Marco Regulatório dos Jogos, da qual Bacelar é presidente.

De acordo com o deputado, o Brasil deixa de arrecadar por ano entre R$ 16 bilhões e R$ 18 bilhões ao não cobrar impostos sobre os jogos. Segundo o deputado baiano, 650 mil empregos diretos deixam de ser criados à medida que a atividade não é legalizada.

A cadeia produtiva formada pela atividade dos jogos, disse o deputado, pode incentivar ainda o turismo, já que geraria empregos como os de motorista de taxi, garçom e artista. Bacelar lembrou que estes trabalhadores eram empregados na indústria dos jogos, na época em que existiam cassinos no País, como o famoso Cassinos da Urca, no Rio de Janeiro.

Distribuição dos cassinos
O Projeto de Lei 442/91 sobre a legalização dos jogos, que está pronto para ser analisado, permite a existência de um cassino por estado brasileiro que tenha até 15 milhões de habitantes. Em estados de 15 a 25 milhões de habitantes, seria permitido o funcionamento de dois cassinos. Nos estados com mais de 25 milhões de habitantes – apenas São Paulo – seria permitida a existência de três destes empreendimentos.

Esses cassinos, segundo o deputado, seriam integrados a resorts, ou seja, fariam parte de um complexo turístico. Cada um deles demandaria cerca de R$ 4 bilhões a R$ 6 bilhões, nas contas do coordenador.

O representante do Instituto Jogo Legal, Magno José, afirmou que, “enquanto o mundo inteiro trata os jogos como uma indústria, infelizmente, aqui no Brasil, devido ao longo período de clandestinidade, nós colocamos os jogos na mesma cesta das drogas, do aborto e da união homoafetiva, ou seja, tratamos os jogos como uma pauta de costumes”. Ele considera como uma das vantagens do lançamento da Frente Parlamentar a possibilidade de se desmitificar a questão dos jogos, modificando a legislação sobre o tema que ele considera “extremamente atrasada”.

Fonte: Agência Câmara

Compartilhe!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




Deixe uma resposta

Fechar Menu