topo-novoSlide thumbnail

Relatório favorável ao impeachment é frágil e superficial, diz Bacelar

Compartilhe com amigos

O deputado federal Bacelar (PTN-BA) ocupou a tribuna da Câmara nesta quinta-feira (7) para desqualificar o relatório favorável ao pedido de impeachment da presidente Dilma. Para Bacelar, o texto ” é frágil e superficial”. O  parlamentar disse que o relatório extrapola os limites da denúncia sob o ponto de vista material e temporal, não consegue mostrar a ilegalidade na edição dos decretos de suplementação orçamentária e nem demonstram o dolo da presidente nas pedaladas fiscais. “O texto diz que Dilma Rousseff agiu de má fé, mas onde estão as provas de que ela, realmente, agiu de má fé?”, questionou.

Segundo o deputado, mesmo que houvesse erro com as alterações orçamentárias não haveria dolo de Dilma, porque ela se baseou em laudos técnicos.  “O parecer não responde aos questionamentos feitos pela defesa acerca dos elementos que não constam na denúncia apresentada pelos juristas Hélio Bicudo e Miguel Reale. Querem a todo custo constituir crime de responsabilidade, mas sem provas” afirmou.

Para finalizar, Bacelar acusou o relator de ignorar uma acusação da Advocacia Geral da União contra o presidente da Câmara. “O pior de tudo é saber que todo este desgaste político, econômico e social é causado por um ato de vingança. Uma briga desnecessária e uma disputa de egos. Eduardo Cunha, o presidente desta Casa, só aceitou ao pedido de impeachment porque não conseguiu aliados do PT para barrar a abertura de um processo contra ele no Conselho de Ética. Esse fato, que considero gravíssimo, também foi ignorado no relatório. Aliás, a oposição nega ser um golpe, mas só no texto, o relator cita a palavra golpe 13 vezes. Coincidência?”, provocou.

Compartilhe com amigos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *