Para discutir o futuro dos trabalhadores da Ford da Bahia e do Brasil, o deputado federal Bacelar (Podemos/BA) estará reunido, nesta quinta-feira(21), com o presidente Nacional da UGT (União Geral dos Trabalhadores), Ricardo Patah. O encontro acontecerá durante a executiva estadual dos trabalhadores da Bahia, às 9h, na rua Francisco Ferraro, 53, Nazaré 5°.

Bacelar destaca que, segundo o IBGE, a perda potencial é de 118 mil postos de trabalho diretos, indiretos e induzidos, com encerramento das fábricas de São Paulo, Bahia e Ceará. Só em Camaçari, município baiano, cerca de 4.604 devem ser demitidas. “É um prejuízo para economia brasileira, para Bahia e, principalmente, para as Estamos em um ano pandêmico, com a economia parada. Temos que fazer alguma coisa urgente” enfatizou. 

Segundo o parlamentar baiano, com a saída da multinacional, o Brasil deixará de arrecadar, aproximadamente, R$ 2,5 bilhões ao ano. “É preocupante. Estamos caminhando para recessão. Não podemos perde investimentos e empregos. Deveríamos aumentar o poder de compra das famílias, incentivar o consumo e não o contrário, eplicou.

Ricardo Patah avalia a situação como perigosa e diz que o país caminha para desindustrialização. “Estamos numa encruzilhada perigosa. A saída da FORD, instalada no Brasil há mais de 100 anos, aponta para um caminho perigoso que é a desindustrialização. Isso sem contar que abandonou o país de forma intempestiva, sem dar nenhuma satisfação, depois de usar mais de R$ 7,5 bi de subsídios, nos últimos 5 anos, e ainda tomar um empréstimo do BNDES de R$ 350 mi” relembrou.

Magno Lavigne, presidente da UGT Bahia, afirmou que “Cabe a nós, trabalhadores, defender os nossos empregos. Hoje, temos manifestações contra a Ford em vários estados brasileiros. Nos da UGT Bahia faremos de nossa reunião uma forma de protestar”.

Serviço:

A reunião da Executiva estadual da UGT acontecerá na rua Francisco Ferraro, 53, Nazaré 5°, das 9h às 14h.

Compartilhe com amigos
Receba as atualizações do Deputado 
direto em seu email




    Deixe uma resposta